Califórnia bane pele animal

O estado dos EUA faz história ao proibir a comercialização de todos os produtos recém-produzidos que forem feitos de pele

Califórnia se tornou o primeiro estado dos EUA a proibir a venda de novos produtos de pele animal.

A lei, que foi introduzida em 2019, foi implementada em 1 de janeiro de 2023.

Ela estipula que nenhum produto desse tipo pode ser fabricado ou vendido em todo o estado da Califórnia.

A lei se aplica tanto às vendas online quanto às vendas em lojas.

O mundo se volta contra a pele

A medida tomada pela Califórnia pode indicar que outros estados e países possam seguir o exemplo, pois muitas áreas vêm tomando medidas para se distanciar da pele nos últimos anos.

“O fim das vendas de pele na Califórnia é uma vitória significativa para os animais, não apenas nos EUA, mas em todo o mundo”, disse PJ Smith, diretor de políticas de moda da Humane Society of the United States e Humane Society International.

Além disso, a demanda por pele vem caindo constantemente nos últimos anos, devido à compreensão mais ampla da crueldade inerente à indústria.

Várias cidades já proibiram produtos de pele em suas semanas de moda: Londres, Copenhague e Helsinque, que também proibiu o couro, estão entre elas.

A crueldade da pele

Animais regularmente mortos por sua pele incluem raposas, chinchilas, visons e coelhos.

Eles geralmente são mantidos em pequenas gaiolas de arame em fazendas de pele sem a chance de exibir comportamentos naturais.

Devido às condições em que são mantidos, os animais desenvolvem regularmente ferimentos, que geralmente não são tratados, e problemas psicológicos como psicose.

Métodos de matar incluem envenenamento, eletrocussão e quebrando o pescoço dos animais. Eles também podem ser esfolados vivos.

Acredita-se que a nova legislação terá grandes implicações para a indústria da pele como um todo.

Fonte: Plant-based News

Leia também:

Rótulos de impacto climático diminuem consumo de carne
Indústria de esmaltes investe em fórmulas mais limpas
Senado aprova proibição de animais em testes para cosméticos